Este local é, com certeza, dedicado aos 90% do meu cérebro que não tenho certeza de para que servem... Entre um cigarro e outro, entre o dia e a noite, nas beiradas de um talvez qualquer, fico gastando palavras, me espreguiçando nas frases, me escondendo entre as reticências...
Ao leitor deixo o agradecimento pelas palavras que eu não disse, mas que, ainda assim, acabaram por ser ouvidas...

domingo, 1 de abril de 2012

Mentira nossa de cada dia...

Pois é, pois não é que é? Hoje é dia dela!!!
Embora leve nomes muitas vezes ofensivos, a verdade, sua eterna inimiga, há de concordar que essa dama de mil faces se trata, infindáveis vezes, de um mal necessário...
A dama das sarjetas, do inescrupuloso, aquela que causa antagonismos, cuja perfeição das formas é invejável...
Há que se aplaudir a imensidão de seu alcance, o poder de sua presença, a magia de suas construções impecáveis...
Rotulada como terrível, nefasta, asquerosa, entre tantos outros predicados, carrega em seu bojo mundos de compaixão, riso fresco, gritos roucos...
Mundana, secular, essa filha de um anjo caido (mas ainda assim anjo) fecha as portas de sua casa ao grotesco, ao doloroso, ao feio, à angustia, à mesquinharia... Seu reino é de alegria, fartura, brilho... Seu colorido é vibrante...
E na fluidez vertiginosa da vida nem sempre me dobro ao preto e branco, posto que também há insídia e maldade nas verdades cruas tanto quanto paz e compaixão nas mentiras deslavadas...
Também não me proponho à escolha de verdades insípidas a empurrar dias e dias de desbotamento, numa existência desprovida de encantamentos. Não descarto o uso de suas máscaras afim de suavizar os estragos indesculpáveis da verdade...
Curvo-me, portanto, à necessidade de sua existência e rendo-lhe as homenagens devidas, sem o ranço de uma culpa perfeitamente dispensável...

Comente

Postar um comentário

Agradeço seu comentário, pedindo apenas a cortesia de observar as regras de urbanidade e educação.