Este local é, com certeza, dedicado aos 90% do meu cérebro que não tenho certeza de para que servem... Entre um cigarro e outro, entre o dia e a noite, nas beiradas de um talvez qualquer, fico gastando palavras, me espreguiçando nas frases, me escondendo entre as reticências...
Ao leitor deixo o agradecimento pelas palavras que eu não disse, mas que, ainda assim, acabaram por ser ouvidas...

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

COMPETINDO

Hoje eu via um programa televisivo onde 3 pessoas competiam. O melhor deles terá um excelente emprego, além de diversos e caros prêmios. Quando foi anunciado o primeiro finalista, os outros dois, que dependem de ligações telefônicas para decidir qual deles continuará na competição, se abraçam e choram um pelo outro. Tudo muito certinho, muito politicamente correto.
Ah sim! Tenho problemas com esse tal de "politicamente correto".
Houve uma época em que essa coisa auto imposta pela sociedade, a qual foi dado o nome de "politicamente correto", não existia. E o mundo era feliz mesmo assim. Havia ética, humanidade, compaixão, etc e todos os seus avessos, tais como a maldade, a inveja, a falta de escrupulos... Mas isso continua existindo, camuflado atrás de quilos de uma correção sem face.
Hoje tudo é tão dosado, tão certinho, tão plácido!!! Credo!!!
Onde andará o grito de alegria quando vencemos? Onde estará o riso escancarado da vitória? E o choro convulsivo da derrota?
Quando competia, sempre desejava ao meu adversário uma boa batalha, assim como dizia com todas as letras que mesmo ele sendo ótimo eu seria melhor... Isso nem sempre acontecia é verdade...
Mas o ponto é que esse tal de "politicamente correto" está cerceando as pessoas. Começamos a ver derrotados sorrindo e vencedores chorando solidariamente... Aí!!! Faça-me o favor!!!
Esse tal de "politicamente correto" roubou o prazer da torcida, a autenticidade, o sabor profundo dos acontecimentos - amargo das derrotas, doce das vitórias - as cores das emoções...
E seguimos, como gado no matadouro, com essa coisa imbecil e insossa, descolorida e inodora, o completo isopor da vida...
Quem inventou essa merda de "politicamente correto" deve sofrer de complexo de inferioridade, provavelmente não teve infância, deve desconhecer completamente as nuances das paixões que fazem da vida esse caleidoscópio fantástico...
Eu? Eu continuo na minha, gritando, mordendo a boca na torcida, deixando o coração bater descompassado, soltando os urros da vitória ou bebendo as mágoas das derrotas... Lapidar meu espirito exige bem mais do que ser politicamente correta.
Porque tratar bem o meu próximo, respeitá-lo, ter compaixão, estender minha mão, entre outras coisas, tem mais a ver com educação, com o chamado "berço", do que com essa noçãozinha barata e falsa de estar acima das emoções mundanas. 
Politicamente correta é a vó!!!

Comente

Postar um comentário

Agradeço seu comentário, pedindo apenas a cortesia de observar as regras de urbanidade e educação.