Este local é, com certeza, dedicado aos 90% do meu cérebro que não tenho certeza de para que servem... Entre um cigarro e outro, entre o dia e a noite, nas beiradas de um talvez qualquer, fico gastando palavras, me espreguiçando nas frases, me escondendo entre as reticências...
Ao leitor deixo o agradecimento pelas palavras que eu não disse, mas que, ainda assim, acabaram por ser ouvidas...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O QUE TEM POR TRÁS?

Vi essa foto magnifica e não resisti... Falar a verdade, não gosto muito dessa história de resistir. Quem souber a origem que avise (para os créditos e os aplausos).
Para além da imagem eu vi tanto, eu vi tudo...
Como a vida da gente, tantas vezes plácida, envolta no feliz silêncio das memórias armazenadas... Mas olha à frente, porque o que tem por trás da quietude não é o tombo, nunca a queda... É sim mudança, experiência nova, recém nascida, um estático esboço do que seremos... Nunca os tombados, jamais caidos... Há que se ter humildade, fé cega, faca amolada... Aqui eu vi toda a beleza da vida, altos e baixos, ontens, hojes e amanhãs... Retroceder, seguir em frente? De toda forma, sempre aprendizado, confiança... Me lembra uma comparação da infância: quando se olha para o céu do finzinho de tarde, inicio de noite, se a gente limpa a mente é incapaz de dizer se está amanhacendo ou anoitecendo, dada a semelhança existente, a queda no movimento de carros, de pessoas, o ar mais fresco, a luz mais fraca e a espectativa de quem sorrirá daqui à pouco: o sol ou a lua... E para você, o que tem por trás dessa imagem?

Comente

Postar um comentário

Agradeço seu comentário, pedindo apenas a cortesia de observar as regras de urbanidade e educação.