Este local é, com certeza, dedicado aos 90% do meu cérebro que não tenho certeza de para que servem... Entre um cigarro e outro, entre o dia e a noite, nas beiradas de um talvez qualquer, fico gastando palavras, me espreguiçando nas frases, me escondendo entre as reticências...
Ao leitor deixo o agradecimento pelas palavras que eu não disse, mas que, ainda assim, acabaram por ser ouvidas...

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Amigos...

Eu escolho o ineficaz... mas o perfeito é tão.. perfeito!!!
Escolho a falha humana - mas com um traço de verniz, ah! por favor, com traço de verniz que remeta à idéia quem sabe de uma educação européia, aulas no liceu, familia tradicional... Que é para não ser categórico: não presta e está acabado!!! Isso jamais! Não presta mas estudou em colégio de padres... não se emenda mas vem de familia boa!!! É gordinha mas fala russo com fluência...
Eu sempre escolho o "mas..." porque vem no pacote das estranhas surpresas, das idiossincrasias mais doidas, das possibilidades impensáveis, dos prazeres vingativos...
No mundo das aparências eu sempre escolho as sombras, os projetos abandonados, a confusão do caos...
Escolho amigos por suas imperfeições, por seus "desastres pessoais", por suas portas trancadas...
Escolho caminhos por seus becos escuros, por suas pretensas ruas sem saída...
Escolho as memórias por seus travos ardidos, amargos e agridoces...
A mesmice e a perfeição me assolam, reduzem meus espaços, emudecem minha voz...
É na imperfeição das formas e dos momentos e das pessoas que as possibilidades se abrem, que as horas se ampliam e que a vida acontece.
Existiu aí um dia dos amigos, mas como é de praxe, optei por todos os dias, reservando-me a negativa de uma explicação redundante.
Me ocupo em encontrar os meus "mas..." afim de que talvez, e apenas talvez, obtenha a sua aceitação...
Não sou quem você espera, mas...

Um comentário:

  1. Essa Diva Filósofa! San, vc. sempre surpreende. E, de todas as formas, vc. é sim, aquilo que se espera. Bjo.

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário, pedindo apenas a cortesia de observar as regras de urbanidade e educação.