Este local é, com certeza, dedicado aos 90% do meu cérebro que não tenho certeza de para que servem... Entre um cigarro e outro, entre o dia e a noite, nas beiradas de um talvez qualquer, fico gastando palavras, me espreguiçando nas frases, me escondendo entre as reticências...
Ao leitor deixo o agradecimento pelas palavras que eu não disse, mas que, ainda assim, acabaram por ser ouvidas...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

NÃO GOSTA DO BRASIL? SINTA-SE LIVRE PARA PARTIR











Vê só se não dá pra ficar p. da vida com essa gente estranha... Não, não essa "brava gente brasileira" não... Eu estou falando é do "Zé povinho" mesmo. Bem, na minha definição, "Zé povinho" é composto daqueles sujeitos (e sujeitas também) que, com grana ou sem grana, com estudo ou sem alfabetização (porque analfabeto é politicamente incorreto), feio ou bonito, que se acha inteligente (eu tenho dúvidas), vive para cuspir no prato em que come. Pois então, esse "Zé povinho" vive para falar mal do Brasil, mas ir embora que é bom, nem pensar... Todo mundo conhece um "esperto" desses, gente cheia de falar outro idioma e não ter noção, mas não ter noção mesmo que o nosso idioma, pois é, o português falado no Brasil, é uma das linguas mais dificeis do mundo, um dos idiomas mais ricos - tem palavras que chegam a ter 10 sinônimos!!!! E o "esperto" fala um inglês muito mal falado, um espanhol que ofenderia até o Santo Papa e, bomba! bomba! bomba! (como diz o Macaco Simão) não conhece a "língua pátria".... Onde é que a gente vive!!!! Não sei se o caso é de gargalhada geral ou de pranto convulsivo.
Outro dia, ouvi uma conversa entre um Juiz Estadual e um Advogado. Os dois criticavam com tal veemência esse meu país amado que cheguei a sentir cócegas na língua, tão grande a vontade de meter meu bedelho onde não fui chamada. Eu queria ter perguntado para esses "distintos cidadãos" se o país os estava prendendo em seu território (não creio que o Brasil iria obrigar tão "distintos cidadãos" a permanecerem em suas terras). Também gostaria de ter perguntado porque, se achavam o país tão ruim assim, não arrumavam suas malinhas e iam tentar exercer suas profissões em outros países. Com certeza, talvez a Espanha, os Estados Unidos, quem sabe o Japão ou a Suiça, iriam acolhê-lhos de braços abertos, providenciariam confortáveis poltronas e escritórios com vistas maravilhosas, além de altos salários para esses cidadãos...
Acho engraçado que cidadãos com alto grau de instrução, extensa formação acadêmica, mantenham suas criticas afiadas, sem entretanto, tirarem seus macios "bumbuns" do conforto de seus "tronos" e lutarem por melhorias, ou usarem a força que tão grande instrução lhes proporciona afim de se engajarem nas necessárias batalhas que antecedem melhorias. Falar, papagaio também fala meu amigo e, criticas sem apresentação de soluções não passam de "encheção de saco" dos ouvidos alheios.
Para cuspir no prato onde comem, melhor sair fora, deixar esse rico país para aqueles que o amam, deixar os seus cargos para aqueles que farão a diferença, coisa que esses "Zé povinho" não têm capacidade de fazer.
Há num dos CDs do Toquinho (o meu preferido), uma música intitulada "Lindo e triste Brasil". Essa música é bem antiga, mas continua extremamente atual. Há muito que os "distintos cidadãos" que não nos fazem, a nós brasileiros, a menor falta, brotam feito erva daninha do solo deste pais que é mãe mais gentil que eu conheço... e como é dificil nos livrarmos deles!!! Fica aqui o meu apelo, a minha súplica: olha só, senhores "distintos cidadãos", peguem seus lindos passaportes, suas malinhas, seus rebentos e partam, livrem-nos de suas ilustres presenças. Podem ir com tranquilidade, qualquer vestígio que tenham deixado por aqui, eu garanto pessoalmente enviar-lhes. Não se preocupem com o preenchimento de seus cargos, porque é certo que nós aqui, os "tupiniquins" daremos um jeitinho brasileiro de encontrar sucessores a altura. Vão com Deus, meus queridos. E, como um favor muito especial: não retornem.

Comente

Postar um comentário

Agradeço seu comentário, pedindo apenas a cortesia de observar as regras de urbanidade e educação.